E se… e se fosse…

Terminar anos de namoro não é fácil. Tem aquela fase do “uhul, festa”, tem aquela do “vou me curtir muito”, depois aquela dos Tinders, Happns e aplicativos aleatórios… E então vem aquela do “quero alguém de verdade”.

O alguém de verdade normalmente nunca é alguém aleatório, mas aquela pessoa que tu olha e fala… “meu, esse dá pra casar” (tudo bem que casar hoje em dia é exagero, mas pode-se substituir por “dá pra ficar um tempo bom com”). Mas olha, já digo que está difícil de achar no mercado – pelo menos pra mim.

Primeiro que tem que ser um cara tolerante e moderno… Aqui na city que eu vivo os caras são meio preconceituosos… e meus amigos são gays, eu bebo cerveja quando eu quero, e eu faço o que quero com meu dinheiro e roupas e livros… Não sou recatada, nem do lar… talvez bela… mas isso depende do ponto de vista.

Segundo que tem que ser inteligente! Gente… passar muito tempo com alguém que não se pode trocar ideia é o fim de tudo! Tudo bem… dá pra fazer sexo, mas não é só disso que vive o relacionamento (sério, pelo menos)…

Terceiro… tem que ser legal: te tratar bem, topar fazer programas de índio e inventar coisas legais pros dias de chuva e pros dias que tem que limpar a casa!… Afinal, alguém tem que limpar a casa e isso pode ser divertido também.

No meu caso, tem que ser work-a-holic também… hauahuahauah… o que é foda de achar, visto que dois seres desse tipo tendem a se estranhar.

Difícil né?

Eu estava pensando, e talvez eu tenha encontrado esse cara aí… mas tem namorada… ou vai ter por um tempo pelo menos… mas aí vem as probabilidades… Será que ele sente o mesmo?

E se? E se sentir? E se der?

Teremos que esperar cenas dos próximos capítulos… E aí eu conto! Torçam por mim, embora eu saiba que minha audiência é baixa… hehehe… mas sei que quem me acompanha quer meu bem 😉

Beijos, F.