Mente inquieta

Hoje recorri ao meu conto favorito da casa com meus lápis, canetas, laptop, folhas… pra colocar o pensamento em dia.

20160627_195305

Escutei a história de “Romeu e Julieta” hoje, e quem não conhece essa história, não é?… e sei lá, isso mexeu comigo. Cadê aquele amor a primeira vista? O encantamento? O vamos superar tudo juntos? Tudo bem, não sou a pessoa mais romântica do mundo… mas sabe quando bate?

Também escutei a história de “Sonho de uma noite de verão” e mesmo sendo uma comédia… sabe quando bate de novo?

E aí vem um cara te contar uma história de superação… na qual ele te diz que estando paraplégico ele tem sonhos e quer abrir uma empresa nova, porque antes ele queria gerar empregos para pessoas com o mesmo problema, mas usando o físico e mente de quando ele ainda não era assim… Nossa… mexe com as entranhas da gente… #pedrojanot

Voltei pra casa com um monte de questionamentos:

  • Quais meus sonhos?
  • Onde eu quero chegar?
  • Quem está comigo pra topar o que eu quero sonhar, e até onde eu contribuo com o trabalho do outro?
  • Qual meu tamanho no mundo?
  • Qual minha capacidade de realização, se as vezes, pra sair da cama já é difícil?

Se tiver alguém aí… apareça, vamos trocar uma ideia 🙂

Beijo, F.

 

Você sente solidão, é? Que bom…

landscape-1450116423-gettyimages-186756083-1

Que bom que não sou só eu que me sinto só num mundo extremamente conectado,  onde tudo aparece em tudo (e em geral coisas felizes), e todo mundo parece estar reunido com um monte de gente sempre!… Sim, porque as pessoas não colocam por aí fotos solitárias e sem gente… geralmente…

Sou daquelas que pensa que antes é melhor estar só (ou acompanhada de um bom livro ou filme) do que com qualquer pessoa que não vai te agregar nada… mas que as vezes dá uma dorzinha no coração de estar em casa “mofando”… ah, isso dá.

 

E como é a cultura de onde tu vive?

Vivo numa cidade em que todo mundo namora, ou é casado ou algo do tipo… e que quem não segue esse padrão as vezes é meio deixado de lado. Parece que estou me colocando no último degrau do universo, né? Mas acredite… já morei em outros lugares, e aqui isso é forte!

 

Então, se tu te sente sozinho mesmo com Face, Insta, Snap, Tinder, Happn e afins… bem vindo a um clube que deve ser bem maior… não deve ter só dois instegrantes (eu e você), e sim uma série de gente que precisa se encontrar, trocar ideia e aproveitar o que há de bom na vida!

Quer uma dica legal de seriado que falar um pouco disso tudo? Assiste Touch com o Kiefer SutherlandDavid Mazouz e Gugu Mbatha-Raw (os principais)… tem no Netflix! Vale a pena…

touch

 

Beijão, F.

Voltando a escrever no diário… de uma quase louca!

Minha última postagem foi há praticamente um mês atrás. Esse “um” mês me pareceu quase um ano, ou um século, ou uma infinidade de tempo. Tudo na minha cabeça passa com tanta velocidade que eu chego a ficar cansada!

Tenho feito terapia, e acredito que esse tempo longe da internet tenha me ajudado a repensar várias coisas. Eu tenho buscado deixar minha vida num ritmo mais tranquilo, equilibrando tudo aquilo que deve fazer parte da vida… Quem conhece aquela dinâmica de desenhar a “roda da vida” deve imaginar o que estou falando.

Sempre fui uma pessoa muito focada em realizar coisas: trabalhar e entregar resultados, resolver os problemas de amigos e família que me cercam, e por aí vai… Ter tempo pra mim nunca foi uma realidade muito palpável…

…E agora está sendo. Estou tirando folga, ficando mais com a minha família, estou dedicando mais tempo aos amigos, tenho lido mais pro meu desenvolvimento e divertimento, comecei a fazer inglês como forma de contatos sociais (e desenvolver a habilidade na língua, é claro)…

Pra quem tem passado ou vai passar por momentos assim (de autoconhecimento, descoberta…) minha dica é “take it easy” e “assuma uma coisa de cada vez”…

Nesse processo, quando comecei a ver meu tempo sendo esvaziado de coisas “concretas” eu quase pirei… “meu Deus, que vou fazer se não tiver o que fazer?”… Parece papo de louco, mas talvez eu só esteja externalizando aquilo que muitos sentem…

Te digo que tudo isso passa, e a gente vai começando a achar outras coisas legais pra fazer… Que nem sempre tem um objetivo claro e direcionado. Um exemplo é vir escrever esse blog! Ninguém me paga para fazer isso, ninguém me obrigada a fazer. Eu faço porque gosto, me traz satisfação e pode servir para outras pessoas.

A ansiedade não mata ninguém… Fazer de conta que ela não existe é que pode matar. Exponha o que sentes, que verás que muitos compartilham das tuas ideias e angústias… E todo mundo já sabe: juntos somos mais fortes (frase piegas, mas verdadeira).

Durante a semana procurarei trazer mais reflexões J Vou escrever sobre as coisas que venho fazendo e estão me trazendo coisas boas!

Beijos,

Fê.

Atualizações de dias que parecem meses!

Gente, quanta coisa pode acontecer em dias! Voltar de férias, dar uma parada na corrida (de correr mesmo), viajar de novo, conhecer gente nova, desistir do boy magia, começar aulas de inglês de novo! O ser humano é fantástico mesmo, porque só nós conseguimos nos adaptar a tantas variações em pouco tempo, e no meu caso, thank’s God, com certa facilidade.

De todos os posts que fiz até agora, as breves atualizações são em em relação à:

  • Trabalho: gente… tem que ter amor no que se faz, se não a gente não aguenta. Não tá feliz? Muda! Voltei a trabalhar com uma sede de fazer tudo que é incrível. Tudo bem que eu tenho uma tendenciazinha work-a-holic… mas não sei o que veio primeiro… o amor e depois a tendência ou a tendência de depois o amor…
  • Corridas: parei dois dias de correr, por causa de horários e tal… já tenho prazo e data pra voltar, mas acreditem:  2 dias já fez diferença no peso, no humor e na minha disposição. Que vício maravilhoso e encantador s2!
  • Boy magia: no final das contas não né magina não… é pesadelo… e o amor tem seus momentos de pesadelo… mas veja bem… momentos. Minha vida não vai se tornar um filme constante de terror. Estou leve, decidida e confiante no amor possível de ser vivido com tranquilidade e espontaneidade!
  • Estou indo viajar de novo (há umas três semana estava em Fortaleza e depois Floripa). Dessa vez pra São Paulo para uma ação de desenvolvimento pessoal. Depois eu conto mais disso… O que não posso deixar de contar é que toda vez que vou viajar me bate o “cagaço” de andar de avião! Hhauahua.. se não pudesse andar iria chorar de vontade… como eu posso andar eu choro de medo! Vai entender, né?

Não tenho assistido tantos filmes ou seriados… mas vi Brooklyn essa semana. Gente, que filme lindo! Óbvio que não é a toa que foi indicado ao Oscar.

É um filme que ao mesmo tempo que é leve, trás um drama forte por parte dos personagens. Quem já teve que sair pra morar fora de casa (incluindo a cidade) talvez até se sensibilize mais com o filme. Eu achei encantador! Fica aí como recomendação pra quem ainda não assistiu!

Acho que por hora é isso! Partiu São Paulo! Mando novidades em breve!

Beijos, F.

Simples… falar de amor!

Em outro momento eu escrevi sobre o amor… falando de uma pessoa que conhecia há muito tempo. Mas definitivamente não conheço. Estar com alguém com bipolaridade é estar com alguém que ao mesmo tempo que é um encanto de pessoa e um poço de animação, é também um labirinto sem saída.

Hoje pude conhecer um pouco mais o labirinto sem saída… onde nada faz sentido, tudo parece desafiar a lógica da vida cotidiana, e qualquer palavra se torna uma faca… que corta a alma.

Isso me fez pensar no que um amigo meu me disse há uns dias… “Sabe, eu achava o fulano (atual namorado) uma pessoa normalzinha demais, mas vi que a vida é boa sendo normalzinha demais”. Ouvindo a primeira vez eu pensei… “ele deve estar louco”… e agora eu penso… “o normal é bem do bom!”.

Eu tive (no meio tempo em que fiquei longe do bi) um namoro normalzinho, tão normalzinho que me irritava, porque tudo era bom, andava bem, a gente se entendia. Quando um estava emburrado o outro dava espaço, quando o outro estava alegre demais o outro comemorava, quando um queria chorar o outro só abraçava… e quando os dois estavam insuportáveis era possível falar isso um para o outro.

Eu joguei isso fora, porque era normalzinho demais… Se conselho fosse bom, a gente venderia… e não daria… mas pensa bem se você estiver prestes a jogar o normalzinho fora. Pega um caderno e começa a anotar o que é normal, e o que tu queria de loucura na tua vida. Tenta propor pro normalzinho que vocês façam o diferente as vezes… mas pelo menos tenta. Dá uma chance pra essas oportunidades.

Tenta aprender com o meu erro… se isso valer de alguma coisa.

E antes de tudo tá… te ama antes de amar o bi ou o normalzinho. Isso vai fazer toda a diferença 😉

Beijo,

F.

Quase desistindo…

Bom, pra começar eu vim escrever um blog porque eu gosto de escrever e compartilhar pensamentos e ideias… se não, nem viria, óbvio! Mas sabe-se lá Deus porque motivo, tudo emperra (e olha que nem me considero uma analfabeta digital, muito pelo contrário). Quero colocar foto… não deu; quero escrever, não acho… Será que é prática?

Já dizia uma pessoa muito querida que conheço que as coisas precisam ser praticas 10 mil horas para se ter excelência, e que um hábito leva 21 dias para virar hábito (bom… isso é de um livro)… Espero não precisar disso tudo pra começar a compartilhar com o mundo o que eu penso… Até porque Paciência não é a minha praia favorita!

Enfim, e que diabos estou fazendo aqui?

Escrever é meu jeito de organizar as ideias (criar esquemas também, fazer colas, usar canetinha colorida… e por aí vai), e achei que fazendo isso por aqui, na famosa wourld wide web, eu conseguiria encontrar mais gente que gosta disso!

E porque “Diário de uma quase louca”? Bem, não sou classificada como louca (não ainda, e eu nem deveria usar esse termo, visto que a minha formação é Psicologia… verdade!), mas minhas ideias nem sempre são convencionais, ou facilmente aceitas. Sim, porque moro em uma cidade relativamente grande, com um cérebro de ervilha (como diria um querido amigo meu).

Então acho que é um pouco disso tudo. Espero encontrar gente que se identifique comigo (a gente sempre gosta de estar em grupo), que me critique (porque só assim eu aprendo algo de interessante a mais nessa vida), que resolva expor suas opiniões (mesmo que de forma anônima, e eu ainda preciso ver como faz isso!)…

Vou expondo também coisas que eu gosto.

Espero que curtam! Beijos de uma quase louca!